A beleza não se mede aos palmos #BeautyBeyondSize

both
A beleza não se mede aos palmos.
Não se mede aos palmos, não se mede numa balança e, muito menos, num tamanho de roupa.
No nosso dia a dia fartamo-nos de ouvir:  “Esta é gorda demais” ; ” Mas esta é magra demais”.
Somos ensinadas para seguirmos um padrão e por vezes, quando paro para pensar acerca deste assunto, parece-me que somos comparadas a um objeto tão banal como uma mala de cabine de um avião. Tal como estas malas, precisamos de ter medidas específicas, não para caber numa cabine, mas para nos encaixarmos na sociedade.
Não podemos ser magras demais porque uma mulher “não é mulher” se não tiver alguma pele para agarrar. Não podemos ter curvas a mais porque fica “feio”…
Afinal, quem estipulou estas “regras” absurdas?
Quem é que de repente decidiu o que é a beleza?
Mais uma vez repito, a beleza não se mede aos palmos. Não se trata, nem nunca se tratou do tamanho do meu ou do teu corpo. A beleza vai muito além disso. A beleza está no teu sorriso sincero quando algo te faz realmente feliz. A beleza está nas coisas que realmente gostas, está no sentires-te feliz a ler um livro, a conversar com alguém, em longos passeios pela praia… O que quer que te faça feliz.
A beleza está, principalmente, no olhares ao espelho e gostares de ti.
E que mal tem se eu não chego sequer aos 50 quilos e não tenho “nada para agarrar”? E que mal teria se eu por acaso tivesse 80, 90, 100 quilos? O que é que esse número altera ou alteraria em mim?
Porque é que eu haveria de querer agradar alguém para além de mim própria?
Porque é que haveria de querer agradar um rapaz, uma “amiga” ou até mesmo uma sociedade egoísta?
Que primeiro venha o amor próprio e depois tudo se acrescentará, se assim estiver destinado!

Ansiedade. 

anxiety.jpg

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Nada em específico aconteceu. Mas hoje, por alguma razão, acordo ansiosa. Acordo com uma sensação estranha no corpo e o sentimento de que, a qualquer momento, vou desmaiar.

Decido ignorar o mau pressentimento que tenho acerca do assunto devido às experiências passadas que já tive com isto, e arranjo-me para sair de casa e fazer a minha vida. Como uma pessoa normal faria.

No estágio, na escola, onde quer que seja, não me consigo concentrar. Nesse dia, algo não está bem e eu sinto-o. Sinto que não estou a ser útil e que não estou a fazer nada de jeito. Porque é a verdade, não estou.
Tento ignorar estes pensamentos porque sei aquilo que eles podem causar mas quando dou por mim, a minha mente começa a divagar e algo mais estranho começa a acontecer dentro de mim.
As pontadas no coração, o sentimento de que vou desmaiar, morrer ou que algo de terrível me vai acontecer, os suores que percorrem o interior do meu corpo, os calafrios e arrepios, os tremores, a dificuldade em respirar…
Tudo isto se apodera de mim e eu não tenho qualquer controlo sobre isso.
No início não se manifestam todos os sintomas e, muito menos, se manifestam com grande intensidade, portanto eu limito-me a tentar concentrar-me e a ignorar os sinais desta minha fraqueza. Mas depois de muito tempo a lidar internamente comigo própria, alguém me pergunta se estou bem. Eu digo que sim. Não consigo, não posso, não quero e não aceito que me vejam assim.
Apesar do turbilhão de sentimentos e sintomas que ocorrem dentro de mim eu escondo estas manifestações ao máximo e é só quando tudo se desenvovlve numa crise mais grave que as pessoas conseguem notar o meu estado deplorável.
Por vezes são só alguns dos sintomas, não chegando a crise a manifestar-se de maneira muito grave mas afetando, de qualquer das maneiras o meu dia a dia e não me permitindo fazer nada com produtividade (foi o caso de hoje).
Na grande parte das vezes, as pessoas não conseguem ver o quanto aquilo me esta a afetar porque eu escolho não o demonstrar, afinal de contas, para me acalmar preciso de sentir que estou em controle de alguma coisa…
Por vezes tenho sorte e as pessoas que me rodeiam são compreensíveis e fazem o que podem para ajudar, mas já me aconteceu estar rodeada de pessoas que não compreendem e que julgam.
“Está a ter mais um daqueles ataques” dizem eles com todo o desprezo. “Gosta de chamar a atenção”, comentam.
Como se eu gostasse de me sentir assim. Como se eu gostasse das crises de choro, dos tremores, de sensação de que algo de terrível vai acontecer…
Não os julgo. Não estão informados e isso é devido a esta sociedade opressora que nos faz acreditar que as doenças mentais, os problemas de ansiedade e outros problemas que não sejam físicos, são “maluquices” e que simplesmente não existem.
ERRADO! Muito errado! E cabe-nos a nós, que estamos informados, que vivemos diariamente com isso ou que estamos perto de pessoas que o vivem, informar e educar os outros acerca deste assunto. Cabe-nos a nós abordar estes temas apesar de serem pessoais e apesar de,por vezes, nos sentir-mos anormais ou aberrações quando isto acontece.
Hoje acordei assim mas nem sempre se manifesta desta forma. Hoje foi um dia mau mas tenho a noção que nem todos os dias o são.
Hoje foi assim. Amanhã será melhor,espero eu.

(Este post foi mais pessoal e pensei seriamente antes de o publicar mas depois de uma situação, nada de grave comparada com outras crises mas muito desconfortável de qualquer das maneiras, que aconteceu hoje, decidi que era a altura de, finalmente, falar sobre isto. Acho que é bom reforçar que a ansiedade não se manifesta da mesma forma todos os dias e em todas as situações e, muito menos, em todas as pessoas.)

Olá Julho|Swimwear: Favorito+wishlist

Entramos no mês de Julho! Um mês que, para mim, será de grandes mudanças.
Como este mês é caracterizado pelo calor, pelas férias (no caso de alguns), pelos seus dias longos e pelos momentos passados na piscina ou na praia, decidi falar-vos sobre a minha peça de swimwear favorita e apresentar-vos a minha wishlist atual.
Ultimamente vejo cada vez mais pessoas a aderirem ao uso do fato de banho em vez do biquíni. Acredito que o fato de banho está outra vez em alta e, quem me conhece, sabe que eu tenho aderido cada vez mais ao uso do fato de banho, deixando um bocado de parte os biquínis, por diversos motivos.

Como tal, para vos mostrar o meu favorito, não poderia deixar de escolher este fato de banho preto decotado que, apesar de ter adquirido o ano passado, para já, não conseguiu ser superado por nenhum outro. Portanto, continua a ser o meu favorito.

IMG_20170625_202731_390.jpg

Passando agora para a outra parte deste post,  passo a mostrar-vos os fatos de banho e biquínis (sim, porque apesar parecer que estou de relações cortadas com eles, também tenho alguns na minha lista), que tenho andado ansiosa para poder comprar:

Em primeiro lugar escolhi este biquíni que encontrei numa loja chamada SHEIN. Tem detalhes em renda e uma cor muito bonita.

bikini
Loja online:  SHEIN

De seguida, escolhi este fato de banho simples mas elegante. Já o tinha visto há algum tempo e fiquei rendida. Podem encontrá-lo na Calzedonia.

IM00029_wear_7246_F
Loja: Calzedonia

Ainda na onda dos fatos de banho, vejam só este preto e branco com decote em halter. Encontrei-o no El Corte Inglés e é da marca Enfásis (não conhecia a marca mas gostei bastante deste modelo).

00141111100867____1__967x1200
Enfásis

Por fim, mostro-vos um biquíni e um fato de banho, ambos de uma loja online, na qual nunca comprei, mas que já vi imensas bloggers a falar maravilhas da mesma. Quem sabe, talvez um destes artigos seja a minha primeira compra nesta loja que se chama Zaful.
Adorei o padrão do biquíni e o detalhe no decote no fato de banho. Para além disso, adoro preto! Acho que é uma cor super elegante e que nunca passa “de moda” e em fatos de banho, na minha opinião, não é exceção.

 

E vocês, vão aderir ao uso dos fatos de banho este ano ou continuam a preferir biquínis? Têm alguma wishlist de fatos de banho, biquínis e/ ou triquinís?

Ps: todas as fotos são retiradas dos respetivos sites das lojas, exceto a primeira foto!
Espero que tenham gostado e encontramo-nos no próximo post, no sítio do costume!

Já o sinto a chegar…

14212056_696119523873513_7543626720203971261_n
*Foto do meu Verão do ano passado*

Com o calor que tem estado ultimamente, a minha mente tem viajado imenso.
Dou por mim a pensar na textura da areia contra a minha pele, o som calmante das ondas do mar a bater nas rochas, a calma de quem não tem mais preocupações…
É verdade, a minha mente tem estado dividida entre o trabalho que o estágio me tem dado e a estação do ano que se aproxima a passos largos.
Já imagino a pilha de livros por ler, acumulados ao longo do ano pelo stress e pela falta de tempo; o prazer reconfortante de cada página lida junto ao mar das praia mais desertas que conseguir encontrar; o sabor do silêncio que apenas é interrompido pelo som das ondas;a calma; a paz interior… A leve brisa junto ao mar e apenas eu, comigo própria e um livro por ler. E é tão bom, este contacto íntimo com a natureza, como se fosse a única certeza que temos. E eu agarro-me a ela. Agarro-me aos pequenos momentos que costumam ser mais durante esta época.
Aproxima-se a época em que os dias se tornam mais longos, as peles mais escuras, os cabelos mais claros, o stress diminui e tudo se torna um bocadinho melhor.
Sim, estou ansiosa para que chegue o Verão, e com ele, todas as coisas boas que dele fazem parte. E vocês?
Bom, espero que fiquem bem e já sabem que nos encontramos no próximo post, aqui, no sítio do costume.

Apenas… Eu

18951350_852654241553373_2703422299943716722_nBem vindos ao sítio que em breve se tornará o nosso sítio do costume. Sim, não só meu mas vosso também.

Mas primeiro, permitam que me apresente:
O meu nome é Maria Godinho e tenho 17 anos. Sou uma apaixonada por livros e pelas artes no geral. Encontro na escrita e na música um refúgio pronto para me expressar.
Gosto de longos passeios à beira-mar, de leituras pela noite dentro e um sorriso sincero de vez em quando. Coisas simples. Mas coisas que importam.
Preocupo-me demasiado. Preocupo-me com os problemas que já existem e com aqueles que ainda não existem.  Costumo dizer que o problema ainda não chegou e eu já sofro com ele, mas acho que é essa a minha maneira de viver. Ou vivo tudo ou não vivo nada. Ou sinto tudo ou não sinto nada…
Não sou nova na blogosfera mas será a primeira vez que me encontrarão a usar este nome. O meu verdadeiro nome.
Talvez alguns de vocês já me conheçam de outros blogs e nunca venham a saber que era eu. Mas agora estou de volta, sem filtros, sem máscaras e sem anónimatos. Estou de volta sendo apenas eu e espero que gostem de ver e explorar as várias facetas da minha personalidade e do meu mundo.
Fiquem bem e vejo-vos no próximo post, aqui, no sítio do costume.

Continue reading “Apenas… Eu”